Total de visualizações de página

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Evolução 2018/Perspectivas 2019

EVOLUÇÃO





     Bem amigos da finansfera, é mais um ano que se finda e continuamos a batalha. 2018 foi um ano de grandes vitórias e realizações. Objetivos pessoais e financeiros atingidos (exceto exercícios e dieta que ficaram pra 2019).

     Cada vez mais chego à conclusão de que a evolução em investir é algo que se consegue nos anos de prática e pouco de teoria. Quando o seu está na reta ou skin in the game o aprendizado é maior. Comprar, mesmo que seja pouco de um ativo, te faz sentir parte integrante daquele negócio.

    Com o passar dos anos, adquire-se experiência, observa-se a repetição de ciclos econômicos que definem de forma determinante os resultados alcançados.



                              Investidor nos momentos do ciclo



     O curto prazo é uma armadilha. Venho tentando seguir os ensinamento de Seth Klarman, bem sintetizados por André Fogaça:

- Investimento em valor é simples de entender, mas difícil de implementar;

- O investimento em valor ocorre na intersecção entre economia e psicologia;

- Não se importe com as flutuações do mercado;

- Comprar é mais fácil do que vender para investidores em valor;

- A boa e velha regra de fuja do efeito manada;

- Segurar dinheiro para esperar uma “liquidação” não é um pecado;


     Ou diretmante como diz Klarman em seu discurso Hard decisions:

     "Como seres humanos, vivenciamos o tempo de maneira bem diferente das instituições que criamos, povoamos e lideramos. Mesmo quando queremos fazer a coisa certa, há chefes, clientes e mercados abertamente ou subliminarmente nos pressionando para ter uma visão de curto prazo. Como John Maynard Keynes notou, “a longo prazo estamos todos mortos”. Pode ser tentador acreditar que o longo prazo é simplesmente uma série de períodos menores, mas a realidade é que as pressões imediatas podem sobrecarregar a visão de longo prazo , e até mesmo nos levam a tomar ações que são o oposto do que uma orientação verdadeiramente de longo prazo produziria. Todos nós devemos estar mais conscientes das distorções e dos erros que podem surgir do foco excessivo no curto prazo."

     Venho sendo até repetitivo nessa questão do foco no longo prazo. É que trata-se de um auto convencimento. As pessoas ricas que já conheci adquiriram ativos de valor e deixaram a fórmula exponencial do tempo agir.  Respeito os traders sérios que conseguem se manter nessa difícil e estressante atividade. Mas não é pra mim.


às vezes é melhor ir devagar...




GGRC11 - 3ª emissão


GGRC




      Vou subscrever tudo que tenho direto. Como comentei no blog do colega ministro do investimento, o que gosto no modelo "sale e lease back" é que o fundo acaba atuando como um banco, recebendo aluguéis como "juros" e com uma bela garantia que é próprio imóvel, que já consta como propriedade do fundo. Os contratos são bem amarrados, a gestão é ágil e profissional. E com o crescimento do fundo, os riscos vão ficando cada vez mais diluídos.


CARTEIRA

     Na carteira de renda variável, a novidade é EZTC. Empresa equilibrada, pouca dívida,  e que pode se dar bem em possível novo ciclo da construção civil.  Foram reforçados aportes em ITSA, HGBS, VISC, FIIB.

     Carteira atual:


Clique na imagem para ampliar



2019 - PERSPECTIVAS

     No final de 2017 não me lembro qual blog perguntava os palpites para 2018. Lembro de ter chutado crash do bitcoin e crash nos EUA. Nem sou bom de palpite, mas o bitcoin teve queda de 75% esse ano. Acho interessante e disruptiva a tecnologia do blockchain, mas as moedas virtuais ainda são claramente especulativas.

     Para 2019 arrisco início de recuperação econômica no Brasil, inclusive mercado imobiliário e correção de preços com queda  nas ações americanas. Meio óbvio, mas não sou vidente...kkkk. Se alguém quiser arriscar algum palpite, deixa aí. Abraço, e até a próxima.





sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Crie seu próprio aumento / Citação do blog no Valores Reais


Primeiramente gostaria de registrar a enorme alegria de ter sido citado no último post do blog Valores Reais"Se você gerenciar mal o seu dinheiro, ter mais dinheiro não vai resolver seus problemas".

O Valores Reais é um dos primeiros conteúdos de educação financeiras que me despertaram a mente para sair da corrida dos ratos nas finanças. E é um dos maiores blogs de educação financeira do país. Fez-me evoluir muito, e servir de inspiração para um post do Guilherme foi mesmo uma honra. 

-____-

Nesse período de crise muita gente passou alguns anos sem ter sequer um aumento de salário, ou quando o teve, sequer repôs a inflação.  Embora isso possa dificultar o progresso financeiro, não deixe que te impeça de alcançar meus objetivos.

No meu caso, até tive alguns aumentos, mas eu tentei criar  um aumento adicional através dos ativos acumulados. Aluguel de imóvel, rendimentos de Fundos de Investimentos Imobiliários (FIIs), dividendos de ações e juros de renda fixa rendem-me hoje cerca de 25% do meu salário. 

Destaque aqui para os FIIs. A renda é o dobro do que consigo com aluguel de imóvel físico. Claro que tem seus riscos, mas o brasileiro precisa conhecer melhor esse ramo de investimento. 

Enquanto vejo a maioria dos colegas se lamentando por não terem aumento e ficarem pendurados em empréstimos consignados, vejo meus ativos crescerem e produzirem frutos. Até que um dia eu não dependa mais do salário, e possa escolher meu trabalho por prazer. 

Talvez você ainda não tenha acumulado ativos para produzir renda, mas há outras formas de produzir seu próprio aumento, como vendendo seus produtos que não usa mais pela OLX ou utilizando pontos esquecidos do cartão de crédito.

Outra forma de aumentar seu dinheiro é economizando gastos supérfluos. Um real economizado é um real ganho. Também é possível procurar um trabalho extra em tempo parcial. O importante é seguir na luta. 

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

A psicologia do dinheiro V



Olás, esta é o último post de uma série  baseada no  artigo de Morgan Housel - A Psicologia do Dinheiro -The psycology of money

Pirâmide de grau de importância nos investimentos - sem a base, tudo irá ruir



Não ache que o que aconteceu no mercado em um passado recente irá repetir-se indefinidamente no futuro.


Manchetes de notícias no mês após o 11 de setembro são interessantes. Poucos acreditam na ideia de que o ataque foi um caso isolado; o próximo ataque terrorista em massa estava certo ao virar da esquina. "Outro ataque terrorista catastrófico é inevitável e apenas uma questão de tempo", disse um analista de defesa em 2002. "Um alto funcionário antiterrorismo diz que é 'uma questão de quando, não se'", lia-se em outra manchete. Além da antecipação de que outro ataque era iminente, acreditava-se que isso afetaria as pessoas da mesma maneira. O programa The Today Show tinha uma seção o que fornecia pára-quedas para os funcionários do escritório manterem sob suas mesas, caso precisassem pular de um arranha-céu.

Acreditar que o que acabou de acontecer continuará acontecendo aparece constantemente na psicologia. Nós gostamos de padrões e temos memórias curtas. E quando você está lidando com dinheiro, isso pode ser um tormento.

Toda grande vitória ou perda financeira é seguida por expectativas em massa de mais ganhos ou mais perdas. Com isso, surge um nível de obsessão em relação aos efeitos desses eventos que se repetem e que podem estar descontroladamente desconectados de seus objetivos de longo prazo. Exemplo: o mercado de ações caindo 40% em 2008 foi seguido, ininterruptamente, por anos, de previsões de outra queda iminente. E o que aconteceu? O mercado americano subiu vertiginosamente de lá pra cá. 

Esperar o que aconteceu no passado de novo em breve é um erro em si. Mas não perceber que suas metas de investimento de longo prazo podem permanecer intactas, ilesas, mesmo se tivermos outra grande queda, é o perigoso subproduto do viés de recência*. “Os mercados tendem a se recuperar com o tempo e a fazer novas máximas” não foi uma expressão de sucesso popular durante a crise financeira; “Os mercados tem crashes, e isso é um saco” era a expressão mais admirada.

Na maioria das vezes, algo grande acontecendo não aumenta as chances de que isso aconteça novamente. É o oposto, pois a reversão é uma lei impiedosa das finanças. Mas mesmo quando algo grande acontece de novo, não deve impactar suas atitudes em relação a seu portfólio. As extrapolações são de curto prazo, enquanto a maioria das metas é de longo prazo. Uma estratégia estável projetada para suportar mudanças é quase sempre superior a uma que tenta se proteger contra outra baixa.

Se há um denominador comum em tudo isso, é uma preferência por humildade, adaptabilidade, longos horizontes de tempo e ceticismo em relação a qualquer coisa "popular" que envolva dinheiro. O que pode ser resumido como: Esteja preparado para os solavancos.

Jiddu Krishnamurti passou anos dando palestras espirituais. Ele se tornou mais sincero quando ficou mais velho. Em uma famosa palestra, ele perguntou à platéia se eles gostariam de saber seu segredo.


Ele sussurrou: "Veja, eu não me importo com o que acontece."

Esse pode ser o melhor truque quando se lida com a psicologia do dinheiro.


*recência
1. estado ou qualidade do que é recente
2. PSICOLOGIA situação em que a informação recebida em último lugar sobre algo ou alguém é a mais provável de ser lembrada

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

A psicologia do dinheiro IV

Olás, esta é uma série de posts baseada no artigo de Morgan Housel - A Psicologia do Dinheiro -The psycology of money



Cuidado com o entretenimento financeiro, devido ao fato de que o dinheiro é emocional, e as emoções são aceleradas por discussões, visões extremas, luzes brilhantes e ameaças ao seu bem-estar.


Se a pressão sanguínea do americano médio subisse 3%, acho que alguns jornais o cobririam na página 16, nada mudaria e seguiríamos em frente. Mas se o mercado de ações cair 3%, bem, não é preciso adivinhar que a repercussão é muito maior.

Por que as notícias financeiras de importância aparentemente baixa sobrecarregam as notícias que são objetivamente mais importantes?

Porque o assunto finanças é divertido de uma forma que outras coisas - ortodontia, jardinagem, biologia marinha - não são. O dinheiro tem competição, regras, problemas, vitórias, derrotas, heróis, vilões, equipes e fãs que o tornam tentadoramente próximo de um evento esportivo. Mas é até um vício a partir disso, porque o dinheiro é como um evento esportivo em que você é tanto o fã quanto o jogador, com resultados que afetam você emocional e diretamente.


O que é perigoso.

Descobri que ajuda, ao tomar decisões financeiras, lembrar-se constantemente de que o objetivo do investimento é maximizar retornos, não minimizar o tédio. Chato é perfeitamente bom. Chato é bom . Se você quiser enquadrar isso como uma estratégia, lembre-se: a oportunidade vive onde os outros não estão, e os outros tendem a ficar longe do que é chato.



O viés do otimismo na tomada de risco, ou "Roleta Russa deve funcionar estatisticamente": Um excesso de apego a chances favoráveis ​​quando a desvantagem é inaceitável em qualquer circunstância.



Nassim Taleb diz: "Você pode se arriscar a amar e ao mesmo tempo sofrer aversão à ruína."

A ideia é que você tenha que correr riscos para seguir em frente, mas nenhum risco que possa acabar com você vale a pena. As probabilidades estão a seu favor ao jogar a roleta russa. Mas a desvantagem nunca vale o potencial de vantagem.

As chances de algo podem estar a seu favor. Os preços dos imóveis sobem a maior parte dos anos, e na maioria dos anos você recebe um salário mensal. Mas se algo tem 95% de chances de estar certo, então 5% de chances de estar errado significa que você quase certamente experimentará a desvantagem em algum momento de sua vida. E se o custo da desvantagem pode te arruinar, a vantagem dos outros 95% do tempo provavelmente não vale o risco, não importa o quão atraente pareça.

E a alavancagem é o terrível aqui. Ela empurra os riscos usuais para algo capaz de produzir ruína. O perigo é que o otimismo racional na maioria das vezes mascara as probabilidades de arruinar parte do tempo de uma forma que nos permite sistematicamente subestimar o risco. Os preços da habitação  nos EUA caíram 30% na última década. Algumas empresas deixaram de pagar suas dívidas. Isso é capitalismo - isso acontece. Mas aqueles os alavancados tiveram um duplo abalo: não só foram deixados falidos, mas  apagaram todas as oportunidades para voltar ao jogo no momento em que a oportunidade estava madura. Um proprietário aniquilado em 2009 não teve chance de aproveitar as taxas juros de hipoteca mais baratas em 2010. O Lehman Brothers não teve chance de tomar  crédito barato em 2009.

Minha carteira é equilibrada e diversificada. Eu corro riscos com uma porção e sou uma tartaruga aterrorizada com a outra. Eu só quero garantir que posso permanecer em pé por tempo suficiente para que meus riscos sejam pagos. Mais uma vez, você tem que sobreviver para ter sucesso.

Um ponto chave aqui é que poucas coisas em dinheiro são tão valiosas quanto as opções. A capacidade de fazer o que você quer, quando quiser, com quem você quer e por que você quer, tem ROI infinito.

terça-feira, 27 de novembro de 2018

A psicologia do dinheiro III

Olás, esta é uma série de posts baseada no artigo de Morgan Housel - A Psicologia do Dinheiro - The psycology of money


Não ser influenciado pelas ações de outras pessoas, que estão jogando um jogo financeiro diferente do seu

Poucas coisas importam mais com dinheiro do que entender seu próprio horizonte de tempo e não serem persuadidas pelas ações e comportamentos de pessoas que jogam jogos diferentes.

Isso vai além de investir. Como você economiza, como gasta, qual é a sua estratégia de negócios, como pensa em dinheiro, quando se aposenta e como pensa em risco, tudo pode ser influenciado pelas ações e comportamentos de pessoas que estão jogando jogos diferentes do que você.


As finanças pessoais são profundamente pessoais, e uma das partes mais difíceis é aprender com os outros, percebendo que suas metas e ações podem estar a milhas de distância do que é relevante para sua própria vida.

Uma vez que nenhuma quantidade de estudo ou mente aberta pode recriar genuinamente o poder do medo e da incerteza, as pessoas passam pela vida com visões totalmente diferentes sobre como a economia funciona, o que é capaz de fazer, o quanto devemos proteger as outras pessoas e o que devemos fazer.

O problema é que todos precisam de uma explicação clara de como o mundo trabalha para manter sua sanidade. É difícil ser otimista se você acordar de manhã e disser: "Não sei por que a maioria das pessoas pensa assim", porque as pessoas gostam do sentimento de previsibilidade e de narrativas claras. Então, eles usam as lições de suas próprias experiências de vida para criar modelos de como eles acham que o mundo deveria funcionar - particularmente para coisas como sorte, risco, esforço e valores.


Não subestimar o poder dos juros compostos e do investimento em ações para o longo prazo
O perigo aqui é que, como os juros compostos não são intuitivos, muitas vezes ignoramos seu potencial e nos concentramos na solução de problemas por outros meios. Não porque estamos pensando demais, mas raramente paramos para considerar o potencial de composição.

Existem mais de 2.000 livros tentando descobrir como Warren Buffett construiu sua fortuna. Mas nenhum deles é chamado de “esse cara tem investido consistentemente por três quartos de século”. Mas sabemos que essa é a chave para a maior parte de seu sucesso; É difícil entender a matemática porque não é intuitivo. Existem livros sobre ciclos econômicos, estratégias de negociação e apostas setoriais. Mas o livro mais poderoso e importante deveria ser chamado de "Cala a boca e espera". É apenas uma página com um gráfico de crescimento econômico de longo prazo. O físico Albert Bartlett colocou: "A maior falha da raça humana é a nossa incapacidade de entender a função exponencial".

Um bom investimento não significa necessariamente obter os retornos mais altos, porque os retornos mais altos tendem a ser resultados únicos que matam sua confiança quando eles terminam. É sobre ganhar bons retornos que você pode manter por um longo período de tempo. É quando a composição é executada de maneira selvagem.


A riqueza é o que você não vê

Sinais externos de riqueza são apenas ostentação. A riqueza, na verdade, é o que você não vê. São os carros não comprados, os diamantes não comprados, as roupas antigas, os upgrades de primeira classe declinados. São ativos no banco que ainda não foram convertidos em coisas que você vê. 

Mas não é assim que pensamos sobre riqueza, porque você não pode contextualizar o que não pode ver.

Você pode rir. Mas a verdade é que as pessoas precisam ser informadas disso. Quando a maioria das pessoas diz que quer ser um milionário, o que realmente querem dizer é "eu quero gastar um milhão de dólares", o que é literalmente o oposto de ser um milionário. Isto é especialmente verdade para os jovens.

Um dos principais usos da riqueza é usá-la para controlar seu tempo e ter opções. Os ativos financeiros em sua conta oferecem isso. Mas eles são o contrário de mostrar às pessoas quanta riqueza você tem.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

A psicologia do dinheiro II

Olás, esta é uma série de posts baseada no artigo de Morgan Housel - A Psicologia do Dinheiro - The psycology of money


Longo prazo e decisões de vida

Na vida as coisas mudam. E é difícil tomar decisões de longo prazo quando sua visão do que você quer no futuro está tão sujeita a mudanças.

Isso nos leva à primeira regra dos juros compostos : nunca interrompa desnecessariamente. Mas como você não interrompe um plano de dinheiro - carreiras, investimentos, gastos, orçamento, seja o que for - quando seus planos de vida mudam? É difícil. Parte da razão pela qual pessoas como Warren Buffett se tornam tão bem sucedidas é porque elas continuaram fazendo a mesma coisa por décadas a fio, deixando a composição correr solta. Mas muitos de nós evoluímos ao longo da vida que não queremos continuar fazendo a mesma coisa por décadas a fio. Ou qualquer coisa perto disso. Então, em vez de uma expectativa de vida de 80 anos, nosso dinheiro talvez tenha quatro blocos distintos de 20 anos. A composição não funciona tão bem nessa situação.

Não há solução para isso. Mas uma coisa que aprendi que pode ajudar está voltado ao equilíbrio na carteira e espaço para erros. Demasiada devoção a um objetivo, um caminho, um resultado, é pedir por arrependimento quando você é tão suscetível a mudanças. As coisas mudam . E é difícil tomar decisões de longo prazo quando sua visão do que você quer no futuro está tão sujeita a mudanças.

E no longo prazo, a volatilidade é garantida, e isso não é algo que você possa mudar. As pessoas acabam tomando atitudes que interrompem a execução de um bom plano. "Não faça nada" são as palavras mais poderosas em finanças. Mas é difícil para os indivíduos aceitar e ainda mais difícil para os profissionais te cobrarem taxas para não fazerem nada. 



Não subestimar a necessidade de espaço para erros, não apenas financeiramente, mas mental e fisicamente.


Ben Graham disse uma vez: "O objetivo da margem de segurança é tornar a previsão de futuro desnecessária."

Há tanta sabedoria nesta citação. Mas a resposta mais comum, mesmo que subconscientemente, é: "Obrigado Ben. Mas sou bom em clarividência".

As pessoas subestimam a necessidade de espaço para erros em quase tudo que eles fazem que envolve dinheiro. Duas coisas causam isso: uma é a idéia de que sua visão do futuro está correta, impulsionada pelo sentimento desconfortável que advém de admitir o oposto. A segunda é que você está, portanto, causando dano econômico ao não tomar ações que explorem sua visão do futuro super otimista se tornando realidade.

Mas espaço para erro é subestimado e mal compreendido. É frequentemente visto como um hedge conservador, usado por aqueles que não querem correr muito risco ou não estão confiantes em seus pontos de vista. Mas quando usado apropriadamente, é o oposto. O espaço para erros permite que você persista, e a resiliência permite que você permaneça por tempo suficiente para permitir que as chances de se beneficiar de um resultado de extraordinário ocorram a seu favor. 

Há também vários lados em considerar o espaço para o erro. Você consegue sobreviver com seus ativos caindo em 30%? Em uma planilha, talvez sim . Mas e mentalmente? É fácil subestimar o que um declínio de 30% faz à sua psique. Conheço vários investidores que desistiram depois de perdas porque estavam exaustos. Fisicamente exaustos. As planilhas podem modelar a frequência histórica de grandes declínios, mas eles não podem modelar a sensação de voltar para casa, olhar para seus filhos e se perguntar se você cometeu um grande erro que afetará suas vidas.

Uma dura realidade é que o que mais importa em finanças nunca será ganhar um Prêmio Nobel: humildade e espaço para erros.


A psicologia do dinheiro I

Olás, vou fazer uma série de posts baseada no fabuloso artigo de Morgan Housel - A Psicologia do Dinheiro -  The psycology of money







-________-

Investir não é o estudo das finanças. É o estudo de como as pessoas se comportam com dinheiro . E o comportamento algo que é difícil de ensinar, mesmo para pessoas realmente inteligentes. Você não pode resumir o comportamento com fórmulas para memorizar ou modelos de planilhas a serem seguidos. O comportamento é inato, varia de pessoa para pessoa, é difícil de medir, muda com o tempo, e as pessoas tendem a negar sua existência, especialmente quando se descrevem.

Administrar dinheiro não é necessariamente o que você sabe; é como você se comporta. Mas não é assim que as finanças são tipicamente ensinadas ou discutidas. O setor financeiro fala muito sobre o que fazer, e não o suficiente sobre o que acontece em sua cabeça quando você tenta fazê-lo.

Serão descritos algumas falhas, vieses e causas de mau comportamento que tenho visto surgir frequentemente quando as pessoas lidam com dinheiro.

domingo, 25 de novembro de 2018

40 lições sobre dinheiro aprendidas após 40 anos nesse mundo

Olás, venho lendo muitos blogs bons da gringa, alguns estão no blogroll. Tentei adaptar o depoimento do budgets are sexy, sobre os 40 anos de idade e 40 lições sobre dinheiro. Inté.
_-----------_

Como meu aniversário de 40 anos está se aproximando rapidamente eu estive pensando sobre a minha vida e a jornada financeira que eu estive até agora.

Ao longo do processo, aprendi muito e aqui estão 40 lições de dinheiro que me vêm à mente dos meus primeiros 40 anos de vida.

# 1. É apenas dinheiro - o dinheiro não é a coisa mais importante na vida. Todos nós temos prioridades diferentes, mas para muitas famílias, saúde, amigos e fé, todos são mais altos que o dinheiro. Quando você passa incontáveis ​​horas trabalhando para viver, é fácil se distrair e perder de vista essas prioridades. Aqueles de nós que escrevem sobre finanças têm dinheiro em nossas mentes quase que constantemente. É bom dar um passo atrás de vez em quando e refletir sobre o que realmente importa mais.

# 2. Comece a economizar cedo - A maioria das pessoas não quer pensar em economizar dinheiro quando é jovem, mas esse é realmente o melhor momento. Não só você tem muitos anos para o seu dinheiro para compor e crescer , mas começando jovem você estará desenvolvendo bons hábitos que podem durar uma vida. Eu salvei um pouco quando era jovem, mas gostaria de ter economizado mais.

# 3. Os hábitos são difíceis de quebrar (bons ou ruins) - Com base no ponto anterior, uma vez que os hábitos são formados, eles podem ser difíceis de quebrar. Isso pode funcionar para você ou contra você. Se você se esforçar para quebrar seus maus hábitos financeiros e substituí-los por bons hábitos, provavelmente será afetado por muitos anos.

# 4. Não siga a multidão - Não seja influenciado pelo que você vê seus amigos, familiares ou vizinhos fazendo com seu dinheiro. A maioria das pessoas toma decisões financeiras terríveis, então por que segui-las?

# 5. Saber e fazer são duas coisas diferentes- Quando eu tinha 20 e poucos anos, eu tinha uma colega de trabalho que era muito aberta comigo sobre as más decisões financeiras que ela e seu marido haviam tomado. Seu marido era um consultor financeiro. Ele estava na indústria há vários anos e tinha muito mais do que suficiente conhecimento sobre o assunto. Mas eles não colocaram em prática em suas próprias vidas. Em vez de estar em um bom lugar em seus primeiros 40 anos, eles estavam pagando dívidas. Saber muito sobre finanças não coloca dinheiro em sua conta bancária.

# 6. Se você gerenciar seu dinheiro mal, ter mais dinheiro não vai resolver seus problemas - Muitas pessoas pensam que se tivessem mais dinheiro, seus problemas financeiros desapareceriam. Mas as pessoas que administram mal o seu dinheiro terão problemas financeiros, quer façam um pouco ou muito. Concentre-se em administrar o dinheiro que possui e, quando conseguir mais, ficará melhor.

# 7. Você não pode tirar o máximo proveito do seu dinheiro se você não sabe onde está indo - controlar suas despesas pode ser uma experiência de abrir os olhos. A maioria de nós tem alguns hábitos ou despesas que realmente se somam, mas se você não estiver prestando atenção, não perceberá o quanto é.

# 8. Concentre-se nas categorias maiores do orçamento - Se você está tentando economizar dinheiro, um bom lugar para começar é com as maiores categorias em seu orçamento. Mesmo pequenas melhorias percentuais nessas áreas podem aumentar rapidamente e ter um grande impacto na sua economia geral.

# 9. Aumento da renda deve ser tão grande quanto um foco em cortar despesas - Se você estiver tentando melhorar sua situação financeira, você pode cortar suas despesas ou aumentar sua renda (ou, idealmente, ambos). Os tópicos relacionados à economia de dinheiro chamam muita atenção, mas aumentar sua renda pode realmente ter um impacto maior, supondo que você esteja gerenciando seu dinheiro com eficiência. Há muitas maneiras diferentes de aumentar sua renda, como obter um aumento, obter algum tipo de certificação, mudar de emprego, freelance, ou construir seu próprio negócio. Para mim, concentrar-se no meu próprio negócio on-line, em vez de trabalhar para outra pessoa, foi um grande ponto de virada.

# 10. Mais dinheiro nem sempre significa menos estresse - O dinheiro pode definitivamente ajudar a tornar a vida mais fácil de muitas maneiras, mas o estresse sobre as finanças não vai desaparecer completamente quando você tiver mais dinheiro. Eu tenho a sorte de ver um aumento significativo na minha renda e patrimônio líquido em meus 30 anos, mas eu ainda me preocupo com dinheiro tanto, se não mais, do que quando estava com 20 e poucos anos.

# 11. Salário mais alto nem sempre significa mais segurança - Quando eu estava apenas saindo da faculdade, assumi que ter mais tempo de antiguidade e um salário mais alto na vida me tornaria mais seguro. Quando eu tinha 29 anos, em 2008, meu empregador demitiu cerca de 25% do seu pessoal. Muitas das pessoas que foram demitidas estavam lá há anos e eram bem pagas. Livrar-se dessas pessoas poupou mais dinheiro à empresa, o que as tornou dispensáveis. Eu não perdi meu emprego, mas isso me motivou a construir meu negócio (que era uma confusão lateral naquele momento) mais rápido.

# 12. O patrimônio líquido é mais importante que a renda - a maioria de nossa sociedade associa riqueza com quanto dinheiro você ganha a cada ano. Na realidade, o quanto você ganha não é tão importante quanto quanto você tem. Você prefere fazer $ 200.000 por ano com patrimônio líquido nulo, ou fazer $ 40.000 por ano com patrimônio líquido de $ 1.000.000?

# 13. Trocar seu tempo por dinheiro não é a melhor maneira de construir riqueza - A maioria dos milionários ganhou dinheiro ao possuir um negócio ou ao investir em ativos geradores de renda (imóveis, por exemplo). Claro, existem exceções, mas em geral confiar em um trabalho para torná-lo rico não é a melhor abordagem.

# 14. Invista em você - Há muitas maneiras diferentes de investir em si mesmo, como obter uma educação, aprender ou dominar uma habilidade ou começar um negócio. Esses investimentos podem ter um impacto enorme em sua situação financeira de longo prazo.

# 15. Concentre-se no desendesenvolvim de seus pontos fortes - É melhor (e mais lucrativo) ser realmente bom em uma coisa do que ser muito bom em muitas coisas diferentes. Ter uma força onde você realmente se destaca pode torná-lo muito valioso.

# 16. Há uma diferença em ser autônomo e ser proprietário de uma empresa - eu tenho sido autônomo por 10 anos agora. Embora eu seja tecnicamente considerado proprietário de uma empresa, sem mim não há negócios. A melhor maneira de aumentar a riqueza é construir um negócio que funcione com ou sem você. Talvez um dia eu chegue lá.

# 17. Renda passiva leva tempo ou dinheiro para criar - Todo mundo quer renda passiva, certo? O que é melhor do que ganhar dinheiro sem fazer nenhum trabalho? Para que isso aconteça você  precisa primeiro ganhar dinheiro que você pode investir  ou criar um negócio ou ativo que gerde inheiro com pouco ou nenhum esforço de sua parte.

# 18. Um bom contador vale a pena - nem todo mundo precisa de um contador.  Mas quanto mais complexidades você adicionar, mais importante se torna um contador. Para mim e minha esposa, nosso contador nos salvou milhares de $ (para não mencionar incontáveis ​​horas) ao longo dos anos. O benefício foi muito maior do que o custo.

# 19. Priorize - Poupar dinheiro e viver uma vida frugal é uma coisa boa, mas você não precisa poupar em todas as áreas da sua vida. A chave é conhecer suas prioridades. Faça o que puder para economizar em coisas que não são tão importantes para você e você terá dinheiro para gastar nas coisas que são importantes.

# 20. Não há problema em aproveitar seu dinheiro - você não precisa ser frugal 24 horas por dia, 7 dias por semana. Você trabalha duro pelo seu dinheiro e não há problema em aproveitá-lo. Todos nós precisamos de equilíbrio. Não se sinta culpado por gastar em coisas que são importantes para você quando você puder pagar.

# 21. Não há um tamanho único para todos - somos todos diferentes. Alguns de nós gostam de usar cartões de crédito para ganhar dinheiro e recompensas. Outros gerenciam seu dinheiro da melhor forma quando usam apenas dinheiro. Como a maioria das coisas na vida, muito se resume a preferência pessoal, em vez de uma maneira de estar certo ou errado.

# 22. Investir não precisa ser complicado - Investir é um tema que assusta muita gente. Infelizmente, esse medo ou falta de conforto leva muita gente a não fazer nada e ficar à margem. Mas investir não precisa ser complicado. De fato, mantê-lo simples é geralmente a melhor abordagem. Um simples portfólio de três ativos pode ser suficiente.

# 23. As taxas sobre investimentos podem ter um enorme impacto a longo prazo - as taxas de investimento podem parecer insignificantes, já que estamos falando de porcentagens muito pequenas. Mas é impressionante o impacto que essas pequenas taxas podem ter quando você olha para o quadro geral. Quando estiver avaliando investimentos, lembre-se de dar uma boa olhada nas taxas. 

# 24. Nem todos os profissionais financeiros sabem o que estão falando - Não siga o conselho de alguém simplesmente porque eles trabalham no setor financeiro. Há definitivamente muitos verdadeiros especialistas por aí, mas há também muitas pessoas que são treinadas para vender produtos das empresa em que trabalham, e não muito bem informados em outras áreas. No ano passado eu tive um “profissional” me dando uma dica de investimento horrível. Eu expliquei porque eu pensei que era um ajuste ruim e como eu poderia fazer muito melhor em outro lugar. Ele realmente não estava ciente de seus concorrentes e só estava familiarizado com o que ele poderia oferecer através de sua própria empresa.

# 25. Só porque alguém lhe oferece crédito  não significa que você pode (ou deve) tomá-lo. Você não tem que gastar todo o dinheiro que o banco está disposto a te emprestar.

# 26. Cartões de crédito são ótimos... se você usá-los corretamente - Eu uso um cartão de crédito para tudo e eu tenho um processo para maximizar o dinheiro de volta e recompensas. Os cartões de crédito não são maus, mas se você não tomar cuidado, eles podem causar muitos problemas.

# 27. Faça economia automática - A melhor maneira de ter certeza de poupar é automatizando. Você pode programar suas aplicações mensais para que você nunca veja o dinheiro.  Há ainda um número crescente de apps que permitem que você faça economias automaticamente. Trate suas economias como um plano de longo prazo, e você verá suas economias crescerem.

# 28. Poupar quando os tempos são bons. Você pode precisar disso mais tarde - Ao longo da vida, a maioria de nós experimenta alguns altos e baixos financeiros. Você nunca sabe o que o futuro reserva.

# 29. Pequenos passos levam a grandes ganhos - Você pode estar desanimado em poupar e investir porque só é possível economizar o que parece ser uma pequena quantia a cada mês. Mas se você é consistente com isso, essa pequena quantidade pode se transformar em algo significativo no tempo. Não deixe de poupar ou investir apenas porque acha que não pode fazer o suficiente para fazer a diferença.

# 30. Boas intenções não são suficientes - Você pode ter todas as boas intenções que deseja, mas agir é o que realmente importa. Isto é verdade com poupar dinheiro, tentar ganhar mais dinheiro e até dar aos outros. Durante muito tempo, quis fazer algo para devolver às pessoas da minha comunidade. Eu tinha boas intenções, mas nunca tomei as medidas para realmente encontrar uma oportunidade. No ano passado, fiquei motivado e comecei a me voluntariar 3 ou 4 vezes por mês em um abrigo local e tem sido uma ótima experiência. Infelizmente, perdi muito tempo antes de agir.

# 31. Às vezes, a melhor decisão não é a melhor no papel - Às vezes, o que é certo para você e sua família não se alinha com o que faz mais sentido matematicamente. Quatro anos atrás, minha esposa e eu tínhamos uma quantia em dinheiro e decidimos pagar nossa hipoteca . No papel, faria mais sentido investir esse dinheiro do que pagar uma hipoteca de juros baixos. Mas, como uma família de 4 pessoas com uma única renda e uma renda que sobe e desce, sentimos que reduziria o estresse não ter uma hipoteca. Mesmo sabendo que o dinheiro poderia ter aumentado muito se investido nos últimos 4 anos, ainda acho que foi a decisão certa para nossa família.

# 32. O tempo é mais valioso que o dinheiro - Não importa quanto dinheiro você ganhe, você nunca terá mais de 24 horas por dia. Estamos todos trabalhando com tempo limitado, e como usamos nosso tempo impacta muitos aspectos de nossas vidas. Certifique-se de que você sempre valoriza seu tempo.

# 33. Nem todo mundo tem as mesmas oportunidades - trabalhei duro para colocar minha família em uma posição financeira melhor, mas tenho tido sorte de ter oportunidades. Nossas vidas são incrivelmente influenciadas por fatores além do nosso controle, coisas como onde nascemos e situações familiares. Há pessoas em todo o mundo enfrentando probabilidades impossíveis e lutando simplesmente para sobreviver. Preciso apreciar a bênção que tenho e tentar ajudar outras pessoas que não são tão afortunadas.

# 34. Ser financeiramente responsável pelos outros pode trazer muito estresse - Mesmo que minha renda e patrimônio líquido seja maior agora do que há 10 anos, tenho muito mais estresse. Há duas razões para isso: uma filha de cinco anos e um filho de três anos. Antes das crianças eu realmente não me preocupava muito com dinheiro. Eu estava confiante de que eu poderia fazer o suficiente para cuidar de mim mesmo. Mas saber que tenho dois filhos que dependerão de mim pelo menos nos próximos 15 anos pode ser intimidante. Felizmente, eles valem o estresse adicional.

# 35. Crianças são capazes de mais do que você pensa - Minha esposa e eu tentamos ensinar nossos filhos sobre dinheiro para que eles estejam preparados para a vida. Quando nossa filha tinha quatro anos, comecei a pagá-la por ajudar com algumas coisas pela casa. Ela queria um vestido de princesa e peruca que custava cerca de $ 35 e eu pensei que não havia nenhuma maneira dede e ter a disciplina para economizar tempo suficiente para conseguir tanto dinheiro. Mas várias vezes ela optou por não comprar outra coisa porque estava economizando para o que realmente queria. Em pouco tempo ela tinha o dinheiro que precisava para comprar o vestido e a peruca. Eu aprendi uma lição valiosa para não subestimar o que ela é capaz.

# 36. As coisas podem mudar rapidamente - Com vida e dinheiro, você nunca sabe o que esperar. Uma queda repentina no mercado de ações, problemas de saúde inesperados, perda de emprego, divórcio ... Há muitas coisas que podem acontecer para mudar sua situação em um piscar de olhos. Prepare-se da melhor maneira possível, mas talvez seja necessário ajustar no futuro.

# 37. Cabe a você - não espere que outra pessoa busque seu melhor interesse financeiramente, incluindo seu empregador. Cabe a cada um de nós assumir a responsabilidade por nossas próprias finanças.

# 38. Let it Go - Não se arrependa das seus erros financeiros baterem em você. Você não pode mudar o que aconteceu no passado. Aprenda com seus erros e siga em frente.

# 39. Não desperdice sua vida só correndo atrás do dinheiro - O tempo voa! Eu não posso acreditar que 40 anos da minha vida já estão na visão traseira. O dinheiro é uma parte importante da vida por causa de como isso afeta as coisas que são ainda mais importantes ( o estilo de vida que ele traz ). Mas perseguir dinheiro não deveria ser o foco principal.

# 40. Sempre há mais lições para aprender - aprendi muito nos últimos 40 anos, mas aprender é um processo que nunca acaba. Espero aprender muito mais no futuro.

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Money Money



Olá amigos,  aproveito um momento enfadonho no trabalho para trocar uma idéia.

Na empresa, momento meio tenso na espectativa de uma fusão. Não dependo exclusivamente do meu salário, mas preciso me reinventar. 

A carteira estabilizou em termos de ativos, com novos aportes em TD 2035, ITSA3, FIIB, ABCP11, HGBS11, KNRI11, HGLG11, HGRE11. Aproveitando a corretagem zero da rico pra FIIs e taxa zero no TD no BB. Como se diz, realmente chato  como ver a grama crescer, e assim deve ser (pra quem não é trader).  Perdi o bonde na MDIA3, talvez entre assim mesmo. 
Não sei o que pensar sobre a bolsa brasileira: um novo ciclo de alta com Bozonaro/ Guedão? Ou abalo nos mercados emergentes com as quedas nas bolsas americanas ? Veremos. 
De qqer forma,  preciso dolarizar alguns cobres.

Dieta é um vai e volta sem fim, exercícios também, leves corridas na rua , pouco resultado, pouca motivação, eterno adiamento da academia, que realmente detesto.

Tenho sofrido com ansiedade e queda de cabelo. Bora tocar pra frente.


"A maioria das pessoas está ligada a um tempo anterior, mas você deve estar vivo em nosso próprio tempo." Marshall Mcluhan


sábado, 20 de outubro de 2018

Visão de longo prazo

Postado pelo "dica de hoje" no telegram. Achei sensacional:

ALASKA BLACK: 
Henrique Bredda:

1. Não confunda aplicação financeira com investimento. É comparar rapadura com Excel. Não tem absolutamente nada a ver. São entidades totalmente diferentes. Não trate investimento da mesma forma que vc trata aplicação financeira. Esse erro é muito comum.

2. Aplicação financeira é um CDB, poupança, fundo de RF, etc. São aplicações p/ vc rodar o seu caixa, liquidez imediata ou muito rápida. Não possui valor intrínseco diferente do preço. Vale o q vc vê. Dado o montante aplicado hj, vc tem quase certeza do montante q terá amanhã.

3. Investimentos é alocação DE CAPITAL em imóveis p/ renda, fazendas, cias de capital aberto ou fechado, um empreendimento hoteleiro, uma startup, fundos de investimento em ações, etc. O preço pode diferir substancialmente do valor ao longo do tempo. A liquidez pode ser restrita.

4. Outra diferença fundamental é a imprevisibilidade de CP. Dado o montante investido hj, vc ñ tem ideia de qto isso será amanhã. As variações DE PREÇO são imprevisíveis no curto prazo nos investimentos. Nas aplicações, o preço (e valor) de sua aplicação amanhã é fácil de prever.

5. Portanto, faz todo sentido vc checkar e avaliar a aplicação financeira no mês e no ano para ver como o seu CAIXA está rodando. Preço E valor estão logo ali na sua frente. Não há nada escondido.

6. Já numa alocação DE CAPITAL numa fazenda, num imóvel, numa startup, num complexo hoteleiro, faz algum sentido checkar o preço todo dia, todo mês todo ano? E o preço é o q alguém está querendo pagar pelo ativo ou fatia dele. E muitas vezes ñ tem nada a ver c/ o valor.

7. Tanto qto numa fazenda, imóvel, startup ou complexo hoteleiro, checkar o preço de suas ações, ou cota de fundo de ações, TODO dia, mês ou ano ñ faz sentido. No curto prazo o q vc vê é preço, enquanto o valor só vai se evidenciando no longo prazo.

8. Exemplificando. Imagine q vc comprou um apartamento, q vc usa p/ morar, e ele seja o seu maior patrimônio. Vamos supor q vc seja tão  neurótico a ponto de querer saber o "valor" diário do seu ap. Vc quer ter a cota diária do seu patrimônio.

9. Então vc pede um favor pro seu amigo corretor de imóveis, anuncia seu ap p/ receber ofertas e aí marcar sua cota diária do seu patrimônio. Todos os dias, às 17hs no horário de fechamento da bolsa, vc recebe uma ligação do amigo corretor te passando a última oferta por seu ap.

10. Vc anota todo dia esse preço das 17hs ofertados pelo seu ap e desenha a cota do seu patrimônio no Excel. Vc comprou o seu ap por 1 milhão, q é sua "cota inicial" é vai anotando as ofertas diárias. No 1o dia, por ex, Bolsonaro sobe nas pesquisas e ofertam 1,1mm pelo ap.

11. Vc fala: "porrada, ganhei 10% num dia!". No dia seguinte sai um Datafolha com Andrade empatado e seu ap recebe uma oferta de 950 mil. Vc fala: "Pqp, perdi 13,6%!". Depois vem o 1o turno e seu ap volta para 1,15mm. É assim segue esse seu drama diário...

12. No 1o ano de listagem, seu ap de 1mm recebeu ofertas de 800 mil a 1,3mm. No 2o ano, as ofertas continuam variando ao sabor da Globonews... variando de 950 mil a 1,4mm. E assim se segue. No 8o ano de listagem, o ap recebe ofertas de 2,8mm a 4mm. Percebeu o q acontece?

13. Cada oferta recebida era apenas um preço q depende da vontade dos outros naquele específico momento. Nada a ver c/ valor. Mas, AO LONGO DOS ANOS, o valor vai aparecendo, vai ficando evidente. No 8o ano, as ofertas estão variando entre 2,8mm e 4mm. Muito acima da cota inicial.

14. Não é preciso o VALOR, mas é evidente que ele foi subindo ao longo dos anos, embora sempre com ofertas de preços muito voláteis e q tendem a gravitas AO REDOR do valor. Isso funciona para o ap, para uma fazenda, empresa de capital fechado, complexo hoteleiro. E pra FIAs.

15. Se o seu investimento numa fazenda, imóvel, empresa de capital aberto ou fechado, ou num FIA, estiver te dando emoções diárias ou semanais nas variações de preço, vc está investindo errado. Ou vc alocou capital além do q vc é capaz, ou ñ entendeu o investimento q vc fez.

16. Como os velhinhos investidores já disseram, se o seu investimento em ações está mais emocionante que ver grama crescer, se está mais emocionante q ver pintura num quadro secar, vc não entendeu do que se trata o investimento.

17. Nunca se esqueça q capital alocado num FIA ñ é aplicação financeira do seu caixa. Ñ é p/ ser emocionante. Dia, mês ou ano são tempos irrelevantes p/ um investimento. Lamentar ou comemorar um mês ou ano, "ruim" ou "bom" p/ suas ações ou seu FIA, é ser torcedor, e ñ investidor.

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

"Gamificação dos investimentos"




O desenho dos métodos de investimentos demostra  uma espécie de gamificação na forma de apresentar suas plataformas. Não gosto muito de estrangeirismos, mas seria esse o termo . É uma forma de estimular o giro e competição que só prejudica o investidor de longo prazo. A As luzinhas do homebroker piscando como máquinas caça níqueis de um cassino seduzem os olhos da maioria incauta. Basta ver a frequência com que as pessoas usam o termo "jogar na bolsa". Investir pode ser chato como assistir a grama crescer, mas ela cresce, basta ter o hábito de colocar água, cuidar e proteger. E assim deve ser investir focando em tempo, aporte  e valor. Pra quem tem uma boa renda, manter a disciplina de poupança e investimento sem muito risco pode ser um caminho tranquilo para a independência financeira futura. Para quem ainda precisa lutar pra melhorar a renda, cabe investir em educação e aprender um ofício antes de pensar em aportar. 

Ter uma boa reserva traz mais segurança em muitas decisões e suaviza várias situações da vida cotidiana. O patamar de paz é outro muito melhor. Imprevistos acontecem, mas a nossa parte precisa ser feita . Ter grana para pagar o plano de saúde, boa educação para os filhos, morar bem, até mesmo não se preocupar com pequenas batidas de trânsito, mostram sua importância no dia a dia e no futuro.

"A única grande vantagem que um investidor pode ter é uma orientação de longo prazo" Seth Klarman



terça-feira, 24 de julho de 2018

MFII - como pulei fora antes do barco afundar, 50.000 visitas!

VDC

   Triste notícia sobre o VDC, blogueiro tão parceiro que, com sua simplicidade, compartilhou conosco sua evolução nas finanças e na vida.  Meus sentimentos à família. 


MFII

     O acontecido com o MFII vem nos lembrar dos riscos do mercado financeiro. É sempre propagada a necessidade de diversificação e da análise dos fundamentos antes de entrar em  cada investimento. Entretanto, a rentabilidade pura e simples muitas vezes nos seduz e pode nos fazer quebrar a cara.

    Confesso que o yield do MFII me atraiu num primeiro momento.  Minha sorte foi aprofundar o estudo do fundo  e acompanhar o que os especialistas avisavam a respeito da falta de transparência na origem dos rendimentos. Depois de ouvir André Bacci, Rodrigo Costa Medeiros, Baroni, e finalmente o NOD alertarem sobre os perigos do fundo, resolvi vender minhas cotas em maio. Houve uma  live do Baroni  com o gestor do fundo, quando ficou claro que o gordo rendimento vinha em boa parte  de taxas de ingresso. O gestor então afirmou, na live,  que não tinha previsão para nova emissão, e que havia resultados de outros projetos do fundo para distribuir se não fossem as taxas de ingresso. Pouco tempo depois foi anunciada a quinta emissão de cotas com taxas de ingresso de até 30%! Ou seja, sim, o fundo precisava das taxas de ingresso para manter o patamar de rendimentos. Ficou claro pra mim. Tive receio que depois do anúncio da emissão as cotas desabassem. Não aconteceu. Ainda consegui vender as cotas a R$ 125. 

     Descrevi a saída de MFII no post de  28.05.2018: http://financasepensamentos.blogspot.com/2018/05/amigos-acredito-que-e-sinal-de.html

"É claro que os investimentos devem ser acompanhados, mas apenas vendidos se perdem sua confiança. Como exemplo, nessa queda dos FIIs, a única venda que fiz foi MFII a R$ 125, pois não gostei do anúncio da 5ª emissão muito próxima da anterior. Parece bom o negócio do fundo, mas exige muito otimismo na valorização imobiliária nos próximos anos. Além do mais, se micar a próxima emissão, a situação do MFII pode se complicar, pois a cotação a mercado está inferior ao valor ofertado na emissão, e o fundo conta com as taxas de ingresso para manter seu alto rendimento."

      Ufa! Fica a lição. 

     Nessas horas relembramos a importância dos investimentos mais conservadores como os imóveis físicos para equilibrar a carteira. O rendimento é menor mas o tijolo está ali à vista. 


50.000 visitas

    O blog completou 50.000 views! Este humilde blog é apenas um diário para desenvolvimento financeiro e pessoal. O que me satisfaz é expor e discutir assuntos sobre investimentos que não encontram eco na maioria das pessoas ao redor. O ambiente virtual proporciona um alcance maior e atinge pessoas com o mesmo interesse, além de ajudar bastante no caminho para a independência financeira. Abraço.

“Feito é melhor que perfeito”.



segunda-feira, 16 de julho de 2018

A luta continua: FIIs, ITSA3, LCA BB






Olá amiguinhos, a quantas anda esse coração investidor nesse mercado de baixa?
O negócio é não vender, segurar a mão de alface.
Da minha parte continuo aportando. De FIIs comprei ABCP11, BBRC11, KNRI11, HGLG11, HGBS11e VISC11  a preços mais atrativos e com yield cada vez mais interessante. Os proventos  recebidos todo mês são uma delícia. Vou ver se consigo fazer o próximo curso do NOD e do Fábio da Bastter. Alguém já fez?


  



VRTA11 comprei mas acabei vendendo depois que vi que tinha um default em um CRI relevante. Apurei um pequeno lucro. 

Comprei também mais ITSA3. O site de relação com investidores é ótimo e tem até uma demonstração da atratividade do preço da ação no item "desconto ITSA", ver  http://www.itausa.com.br/pt/itausa-no-mercado-de-acoes/desconto-itausa. Atualmente teria um desconto de aproximadamente 23% em relação à cotação média das participações da holding em suas empresas (principalmente ITAU, o resto é bofeira). O DY também está legal.
No radar das ações para comprar estão RADL3 e MDIA3. A questão é comprar agora ou esperar o faniquito eleitoral. Vamos ver. 






Com uma graninha extra do 13º refiz uma parte da reserva básica pessoal na LCA do BB, 83% do CDI.

No quesito saúde tive uma dor de garganta chata que me obrigou até a tomar injeção e antibióticos. O projeto academia/verão 2019 ficou postergado, mas  não saiu dos planos. Ainda chego lá.  Taca-lhe pau!












segunda-feira, 28 de maio de 2018

Home broker bleeding



  
Amigos, acredito que é sinal de maturidade manter as postagens mesmo em épocas de quedas. Na verdade,  vejo-me feliz por ver minha própria evolução no campo dos investimentos. Conhecendo meu perfil conservador, montei um belo colchão de segurança com imóveis e renda fixa. Devo ter  apenas 12% de patrimônio em renda variável. Mesmo assim, é doloroso ver o homebroker sangrando, com tudo vermelho.







   Acontece que, em épocas passadas - tive uma breve incursão anterior em ações- vendia desesperadamente. Confundia day trade com posição, comprava no topo e vendia no fundo.
Após adotar a sistemática do buy and hold, as coisas mudaram muito. De uns quatro anos pra cá compro títulos longos do tesouro direto sem me importar com a variação do preço, avalio o valor de FIIs e ações também sem muita preocupação o preço, e diversifico a carteira, tudo com foco no longo prazo.

   É claro que os investimentos devem ser acompanhados, mas apenas vendidos se perdem sua confiança. Como exemplo, nessa queda dos FIIs, a única venda que fiz foi MFII a R$ 125, pois não gostei do anúncio da 5ª emissão muito próxima da anterior. Parece bom o negócio do fundo, mas exige muito otimismo na valorização imobiliária nos próximos anos. Além do mais, se micar a próxima emissão, a situação do MFII pode se complicar, pois a cotação a mercado está inferior ao valor ofertado na emissão, e o fundo conta com as taxas de ingresso para manter seu alto rendimento.

   Aliás, focar no rendimento também é algo também muito perigoso. Basta ver o que aconteceu recentemente com a cotação do FII FIIGS, que tem alta renda mínima garantida mas, com a aproximação de seu fim, enfrenta uma desvalorização de cerca de 30%. Em resposta ao colega grafista fiel, no post de 09.01.2018, demonstrei minha preocupação:



   Tenho mantido meus aportes nos mesmos FIIs da carteira, além de ter entrado em HGBS e VRTA.

  Também reestreei nas ações com ITSA3.


"O mercado de ações é um dispositivo para transferir dinheiro dos impacientes para os pacientes." Warren Buffett


   Abraço e até a próxima.




quinta-feira, 19 de abril de 2018

10 diferenças entre os milionários e a classe média - Finanças & livros






Livro curto e de leitura rápida, As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média, de Keith Cameron. Na linha de Os segredos da mente milionária, de Harv Eker,  traz importantes lições para o enriquecimento e vida em geral. Lista das idéias:




1. Os milionários pensam a longo prazo. A classe média pensa a curto prazo.

2. Os milionários falam sobre ideias. A classe média fala sobre coisas e outras pessoas.

3. Os milionários aceitam as mudanças de bom grado. A classe média se sente ameaçada pelas mudanças.

4. Os milionários assumem riscos calculados. A classe média tem medo de se arriscar.

5. Os milionários aprendem e crescem sem parar. A classe média pensa que o aprendizado termina quando acaba a educação formal.

6. Os milionários trabalham visando ao lucro. A classe média trabalha visando ao salário.

7. Os milionários acreditam que precisam ser generosos. A classe média acredita que não tem condições de dar nada.

10. Os milionários têm múltiplas fontes de rendas. A classe média tem apenas uma ou duas fontes de renda.

9. Os milionários se concentram em aumentar seu patrimônio liquido. A classe média se concentra em conseguir aumento de salário.

10. Os milionários fazem a si mesmos perguntas que os fortalecem. A classe média faz a si mesma perguntas que a enfraquecem.




Abraço, bons investimentos!

quarta-feira, 11 de abril de 2018

HOME OFFICE

Olá felas...Deixa eu escrever aqui pros meus 3 ou 4 leitores.


Home Office




Nos últimos tempos venho trabalhando em regime  de home office, pois achei que seria uma boa. Acontece que o marasmo toma conta da gente. Essa coisa de ficar sozinho e não ver ninguém vai dando uma grande desmotivação. Engordei uns 2  quilos, pois a cozinha está logo ali com petiscos te chamando.









O seu ambiente de casa, no sentido de lar e relaxamento, acaba se tornando um lugar de stress e cabeça cheia de questões de trabalho a resolver. Além disso, não venho conseguindo manter autodisciplina para cumprir as metas mensais de produtividade. Assim, Devo voltar a trabalhar no escritório. Não é longe de casa, talvez gaste um pouco mais com estacionamento, mas vale a pena. Tenho um perfil mais tímido e fechado, e trabalhar em casa piora isso.









FIIs

Não selecionei FIIs novos. Mantive a carteira, mas aportando mais em KNIP, FIIB, JSRE, ABCP. Acredito que uma carteira com muitos ativos dê muito trabalho pra acompanhar. Também não quero entrar em nada que me desagrade, como fundos administrados pela BTG. Se tivesse mais tempo até acompanharia mais de perto. Esses dias HGLG chegou a R$ 1560 e ja se tinha quase certeza que cairia depois de liberarem as novas cotas subscritas para negociação. Agora está R$1390. Podia ter vendido e recompra do mais barato, mas estava no meio de uma reunião. De qualquer forma, se  não fosse o meu trabalho, não teria nenhum merréis para aportar. Então, melhor concentrar no trabalho principal até atingir a liberdade financeira.

Dos outros ativos não falo muito pois são mais passivos, NTN-B, LFT, LCA.








Bois

O meninos vão bem, crescendo. Gostei do ramo, além estar relaxando às vezes no campo.

Hasta la lista





terça-feira, 3 de abril de 2018

Tabacaria

Hoje sem finanças, só pensamentos. Homenagem ao grande Fernando Pessoa e sua profunda sensibilidade.


Tabacaria


Não sou nada.

Nunca serei nada.

Não posso querer ser nada.

À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.




Janelas do meu quarto,

Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é

(E se soubessem quem é, o que saberiam?),

Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,

Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,

Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,

Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,

Com a morte a pôr umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,

Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.




Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.

Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer,

E não tivesse mais irmandade com as coisas

Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua

A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada

De dentro da minha cabeça,

E uma sacudidela dos meus nervos e um ranger de ossos na ida.




Estou hoje perplexo como quem pensou e achou e esqueceu.

Estou hoje dividido entre a lealdade que devo

À Tabacaria do outro lado da rua, como coisa real por fora,

E à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro.




Falhei em tudo.

Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada.

A aprendizagem que me deram,

Desci dela pela janela das traseiras da casa,

Fui até ao campo com grandes propósitos.

Mas lá encontrei só ervas e árvores,

E quando havia gente era igual à outra.

Saio da janela, sento-me numa cadeira. Em que hei-de pensar?




Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?

Ser o que penso? Mas penso ser tanta coisa!

E há tantos que pensam ser a mesma coisa que não pode haver tantos!

Génio? Neste momento

Cem mil cérebros se concebem em sonho génios como eu,

E a história não marcará, quem sabe?, nem um,

Nem haverá senão estrume de tantas conquistas futuras.

Não, não creio em mim.

Em todos os manicómios há doidos malucos com tantas certezas!

Eu, que não tenho nenhuma certeza, sou mais certo ou menos certo?

Não, nem em mim...

Em quantas mansardas e não-mansardas do mundo

Não estão nesta hora génios-para-si-mesmos sonhando?

Quantas aspirações altas e nobres e lúcidas -

Sim, verdadeiramente altas e nobres e lúcidas -,

E quem sabe se realizáveis,

Nunca verão a luz do sol real nem acharão ouvidos de gente?

O mundo é para quem nasce para o conquistar

E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão.

Tenho sonhado mais que o que Napoleão fez.

Tenho apertado ao peito hipotético mais humanidades do que Cristo,

Tenho feito filosofias em segredo que nenhum Kant escreveu.

Mas sou, e talvez serei sempre, o da mansarda,

Ainda que não more nela;

Serei sempre o que não nasceu para isso;

Serei sempre só o que tinha qualidades;

Serei sempre o que esperou que lhe abrissem a porta ao pé de uma parede sem porta

E cantou a cantiga do Infinito numa capoeira,

E ouviu a voz de Deus num poço tapado.

Crer em mim? Não, nem em nada.

Derrame-me a Natureza sobre a cabeça ardente

O seu sol, a sua chuva, o vento que me acha o cabelo,

E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha.

Escravos cardíacos das estrelas,

Conquistámos todo o mundo antes de nos levantar da cama;

Mas acordámos e ele é opaco,

Levantámo-nos e ele é alheio,

Saímos de casa e ele é a terra inteira,

Mais o sistema solar e a Via Láctea e o Indefinido.




(Come chocolates, pequena;

Come chocolates!

Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.

Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.

Come, pequena suja, come!

Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes!

Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folhas de estanho,

Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida.)




Mas ao menos fica da amargura do que nunca serei

A caligrafia rápida destes versos,

Pórtico partido para o Impossível.

Mas ao menos consagro a mim mesmo um desprezo sem lágrimas,

Nobre ao menos no gesto largo com que atiro

A roupa suja que sou, sem rol, pra o decurso das coisas,

E fico em casa sem camisa.




(Tu, que consolas, que não existes e por isso consolas,

Ou deusa grega, concebida como estátua que fosse viva,

Ou patrícia romana, impossivelmente nobre e nefasta,

Ou princesa de trovadores, gentilíssima e colorida,

Ou marquesa do século dezoito, decotada e longínqua,

Ou cocote célebre do tempo dos nossos pais,

Ou não sei quê moderno - não concebo bem o quê -,

Tudo isso, seja o que for, que sejas, se pode inspirar que inspire!

Meu coração é um balde despejado.

Como os que invocam espíritos invocam espíritos invoco

A mim mesmo e não encontro nada.

Chego à janela e vejo a rua com uma nitidez absoluta.

Vejo as lojas, vejo os passeios, vejo os carros que passam,

Vejo os entes vivos vestidos que se cruzam,

Vejo os cães que também existem,

E tudo isto me pesa como uma condenação ao degredo,

E tudo isto é estrangeiro, como tudo.)




Vivi, estudei, amei, e até cri,

E hoje não há mendigo que eu não inveje só por não ser eu.

Olho a cada um os andrajos e as chagas e a mentira,

E penso: talvez nunca vivesses nem estudasses nem amasses nem cresses

(Porque é possível fazer a realidade de tudo isso sem fazer nada disso);

Talvez tenhas existido apenas, como um lagarto a quem cortam o rabo

E que é rabo para aquém do lagarto remexidamente.




Fiz de mim o que não soube,

E o que podia fazer de mim não o fiz.

O dominó que vesti era errado.

Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.

Quando quis tirar a máscara,

Estava pegada à cara.

Quando a tirei e me vi ao espelho,

Já tinha envelhecido.

Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.

Deitei fora a máscara e dormi no vestiário

Como um cão tolerado pela gerência

Por ser inofensivo

E vou escrever esta história para provar que sou sublime.




Essência musical dos meus versos inúteis,

Quem me dera encontrar-te como coisa que eu fizesse,

E não ficasse sempre defronte da Tabacaria de defronte,

Calcando aos pés a consciência de estar existindo,

Como um tapete em que um bêbado tropeça

Ou um capacho que os ciganos roubaram e não valia nada.




Mas o dono da Tabacaria chegou à porta e ficou à porta.

Olhou-o com o desconforto da cabeça mal voltada

E com o desconforto da alma mal-entendendo.

Ele morrerá e eu morrerei.

Ele deixará a tabuleta, e eu deixarei versos.

A certa altura morrerá a tabuleta também, e os versos também.

Depois de certa altura morrerá a rua onde esteve a tabuleta,

E a língua em que foram escritos os versos.

Morrerá depois o planeta girante em que tudo isto se deu.

Em outros satélites de outros sistemas qualquer coisa como gente

Continuará fazendo coisas como versos e vivendo por baixo de coisas como tabuletas,

Sempre uma coisa defronte da outra,

Sempre uma coisa tão inútil como a outra,

Sempre o impossível tão estúpido como o real,

Sempre o mistério do fundo tão certo como o sono de mistério da superfície,

Sempre isto ou sempre outra coisa ou nem uma coisa nem outra.




Mas um homem entrou na Tabacaria (para comprar tabaco?),

E a realidade plausível cai de repente em cima de mim.

Semiergo-me enérgico, convencido, humano,

E vou tencionar escrever estes versos em que digo o contrário.




Acendo um cigarro ao pensar em escrevê-los

E saboreio no cigarro a libertação de todos os pensamentos.

Sigo o fumo como uma rota própria,

E gozo, num momento sensitivo e competente,

A libertação de todas as especulações

E a consciência de que a metafísica é uma consequência de estar mal disposto.




Depois deito-me para trás na cadeira

E continuo fumando.

Enquanto o Destino mo conceder, continuarei fumando.




(Se eu casasse com a filha da minha lavadeira

Talvez fosse feliz.)

Visto isto, levanto-me da cadeira. Vou à janela.




O homem saiu da Tabacaria (metendo troco na algibeira das calças?).

Ah, conheço-o: é o Esteves sem metafísica.

(O dono da Tabacaria chegou à porta.)

Como por um instinto divino o Esteves voltou-se e viu-me.

Acenou-me adeus gritei-lhe Adeus ó Esteves!, e o universo

Reconstruiu-se-me sem ideal nem esperança, e o dono da Tabacaria sorriu.




Álvaro de Campos, in "Poemas"

Heterónimo de Fernando Pessoa